Rua Eng.º Duarte Pacheco 49, 2460-043 Alcobaça 262 582 066[email protected]

Neuromarketing: como o cérebro humano vê o seu website

Post 97 of 146
Neuromarketing: como o cérebro humano vê o seu website

Neuromarketing e o seu website

Neuromarketing é um conceito que estuda a resposta do cérebro para uma estimulação a nível do marketing, e como se relaciona com web design ao incentivar os nossos visitantes onlines a fazerem alguma coisa. Afinal de contas, aquilo que interessa num website produtivo são conversions, ou seja, conversões e as ações que os utilizadores no nosso website tomam.

A maioria das decisões que fazemos são feitas instintivamente pelo nosso cérebro primitivo, ou seja, o nosso “cérebro reptiliano”. O nosso cérebro reptiliano apenas se preocupa em nos manter vivos, na sobrevivência, ao fazer-nos perguntas do género:

  1. “Isto é familiar?”
  2. “Estou seguro(a)?”
  3. “Posso ver isso?”
  4. “Preciso de agir agora?”
  • (P.S.: “Posso comê-lo?”)

cérebro reptilianoQuando o nosso cérebro reptiliano está seguro de estamos no “modo de segurança”, que iremos sobreviver, é que o pensamento emocional e racional entram em cena. A forma como o cérebro funciona pode ter um impacto verdadeiramente fascinante em como desenhamos websites e experiências online para o utilizador de forma a fazer com que as pessoas ajam de determinada maneira. Como é que o seu website responde às seguintes perguntas instintivas a partir dos seus visitantes e potenciais clientes?

1. “Isto é familiar?”

O cérebro reptiliano foi concebido para ser eficiente e gosta de coisas que lhe são familiares e fácilmente reconhecíveis. Se encontra alguma coisa nova, está programado para a considerar um potencial perigo, resultando numa experiência menos boa – embora você possa tornar este ponto como vantagem, mais informação no ponto 2 em baixo. Os seus visitantes conseguem identificar-se a eles próprios ou pessoas como eles nos primeiros 7 segundos de quando eles aterram no seu website? Você fala a linguagem deles? Ou você muda a sua home page constantemente para que os visitantes que voltam a visitar o seu website, resultando em não lhes dar aquilo que eles estão à procura e potencialmente confundi-los?

2. “Estou seguro(a)?”

O nosso cérebro está programado para notar diferenças e mudanças no nosso ambiente, isto é normal, é uma tática de sobrevivência. Coisas que interrompam este padrão normal de funcionamento irão dar sinal de alerta ao nosso cérebro reptiliano. Será que o layout da sua página ou a navegação do seu website seguem um padrão normal? A navegação conta como aproximadamente 65% como percentagem de sucesso online, e para websites mobile conta como 80%. Há uma razão pela qual os logotipos das empresas aparecem no canto superior esquerdo. Você tem botões de call-to-actionCall-to-action significa Apelo-à-ação, incentivar o utilizador a fazer algo? Quantos tem? Onde? E um formulário em todos os cantos do seu website? Eles levam o seu visitante para onde eles querem e esperam ir? Bem, às vezes, despoletar o sinal de alerta vermelho na cabeça dos seus visitantes pode funcionar para sua vantagem. Por exemplo, a maioria das pessoas odeia pop-ups porque eles interrompem a experiência normal do utilizador. Mas os nossos olhos são instintivamente atraídos para eles – mesmo que não queiramos, só para nos certificarmos que eles não são perigosos. Se aquele pop-up tem alguma oferta que seja apelativa ou que enriqueça a experiência online do utilizador, o cérebro vai-se lembrar disso na tomada de decisão. Food for thought, como diz a expressão Inglesa.

3. “Posso ver isso?”

Cerca de 50% do cérebro está dedicado a processar eventos visuais. Você apenas pensa que vê, na realidade você apenas vê, e quando assim o faz, já não o consegue “des-ver”. Por exemplo, quantas janelas você tem em casa? Pense nisso agora. De certeza que já começou, à medida que lê estas linhas neste artigo e pensa sobre as janelas na sua casa, começou a imaginar a sua casa na sua cabeça, e foi de divisão em divisão a contar o número de janelas que tem em todas. As pessoas percebem as coisas mais depressa quando as visualizam. Você usa muitos elementos visuais no seu website? Se vende produtos, tem muitas fotos de produtos em sítios ou background com o qual os seus visitantes se conseguem relacionar? Se vende um serviço, mostra fotos dos seus empregados a prestar o dito serviço? Se tem uma loja num sítio físico, mostra fotos da sua loja para que quando as pessoas a visitem, a consigam reconhecer, sentido-se assim familiarizadas (confrontar com ponto 1)?

4. “Preciso de agir agora?”

É muito fácil para o cérebro ser preguiçoso, portanto é necessário haver um sentimento de urgência que os leve a fazer alguma coisa, de preferência em prol dos nossos produtos ou serviços. As pessoas gostam daquilo que é primeiro e o que elas podem ter agora, o medo de perder algo normalmente sobrepõe-se à possibilidade de ganho futuro. Você pede aos seus visitantes no website para agirem agora? Pede-lhes vezes suficientes? Você tem algum formulário de opt-in no seu website em cada página? O seu website deve apresentar as coisas mais importantes, mais populares e as quais sejam mais fáceis para o utilizador agir nelas, porque no tempo que leva ao leitor a fazer scroll até lá abaixo, ou a clicar para a segunda ou terceira página, eles já perderam o interesse. Será que 90% do seu esforço está concentrado em vender os 10% dos seus produtos e serviços que melhor se vendem? Às vezes, ficamos tão enrolados em como o nosso website “parece” que nos esquecemos porque é que queríamos ter um de todo – para fazer com que as pessoas façam algo.

Conclusão

Espero que estas perguntas e sugestões “cerebrais” no campo do neuromarketing o(a) deixem a pensar em como pode melhorar o seu website e capturar mais clientes. E já que está nisso, lembre-se de testar qualquer tipo de mudanças antes de as implementar.

P.S.: Veja este documento .PDF (em Inglês) que explica estes conceitos em maior detalhe: How to Move Your Online Visitors to Action

Comentários Facebook

Gostou do artigo?

Seja um(a) estratega digital. Subscreva.

Este artigo foi escrito por João Alexandre

João Alexandre é consultor web marketing na DesignPT e faz uso das redes sociais, motores de busca - e senso comum - para trazer resultados produtivos para os seus clientes.

1 comment:

Neuromarketing: como o seu cérebro v&eci…11/04/2013 at 14:02Reply

[...] Neuromarketing e como o seu cérebro vê o seu website para levarmos os utilizadores a agirem e comparem os nossos produtos e serviços.Clique na foto para saber=!  [...]

Menu