Cinquenta Sombras de Grey no Linkedin

Há práticas no LinkedIn que o podem deixar banido dessa rede social. Algumas até já poderá ter pensado ou mesmo feito, e outras são consideradas uma área cinzenta que o podem deixar em apuros se persistir com elas. Neste artigo vou descrever quais regras pode cumprir, e quais aquelas que pode contornar por serem mais “cinzentas”.

Que regras não quebrar (e quais contornar)

Há algumas regras que convém seguir se não quiser que a sua conta seja eliminada no LinkedIn, ou que o seu perfil se torne invisível quando não cumpre os requisitos no acordo de utilização do utilizador registado no LinkedIn. Outras podem ser dobradas ou mesmo tentadas, conforme o benefício da recompensa vs castigo.

Use o seu nome real

Uma das primeiras regras no LinkedIn, que é apresentada no User Agreement é usar o seu nome real no seu perfil. Ok, isto é óbvio, especialmente se estiver a usar o LinkedIn para negócios. A menos que seja um autor ou uma estrela de cinema/música, os pseudónimos não funcionam lá muito bem no LinkedIn.

Uma outra coisa que as pessoas fazem no LinkedIn é colocar outros elementos que não o último nome deles no campo do último deles. Se tem uma certificação, prémio ou diploma que quer colocar após o seu nome, não há problema, o problema é que há pessoas que colocam coisas como emails, palavras-chave e contactos telefónicos.

O LinkedIn não quer quer os seus utilizadores coloquem informação imprecisa nos campos designados do formulário de perfil. Portanto não inclua link, email nem palavras chave no campo do nome. O nome é para o nome.

Há castigo?

Pode haver. Poderá tornar-se invisível numa pesquisa LinkedIn. Como é que sabemos isso? Experimente colocar palavras-chave relacionadas com a sua atividade no campo do último nome, se o LinkedIn souber disto, irá colocá-lo na lista negra e removê-lo(a) da pesquisa.

Se o LinkedIn fizer isto, admita que fez um erro ao entrar em contacto com a Ajuda LinkedIn, embora eles possam não o querer poder ajudar. A alternativa será dominar a sua indústria de tal maneira que mesmo que não apareça no LinkedIn para as suas palavras-chave, irá aparecer à mesma no LinkedIn por via de outros líderes de opinião e Influenciadores que estão ligados a si e pelo facto de que as pessoas o conhecem pelo nome.

Porque as pessoas fazem isto? Porque o Google gosta.

Poderá vir a aparecer mais alto nas pesquisas do Google (nada garantido) com as suas palavras-chave ao quebrar as regras do LinkedIn, mas as potenciais recompensas não valem pelo castigo. Se estava habituado a receber contactos via LinkedIn, poderá vir a perceber que recebe menos leads devido a ter desaparecido das pesquisas no LinkedIn.

Não use uma máscara

Em vez duma fotografia, por vezes há quem coloque um logótipo, uma fotografia de bancos de dados de imagens (um(a) modelo(a), animais, ou outros. O LinkedIn torna bem claro nas regras que não deverá carregar uma imagem de perfil que não seja a sua face.

Outra coisa que não deverá fazer é mostrar as suas partes corporais. O LinkedIn, como é óbvio, não gosta de quando os utilizadores carregam imagens inapropriadas e ofensivas.

Há castigo?

O LinkedIn irá retirar a sua foto e obrigá-lo(a) a carregar outra. Poderá suspender ou mesmo apagar a sua conta, vai depender do nível da ofensa e do empregado LinkedIn que estiver a rever o seu caso.

Não seja quem não é

O LinkedIn só permite ter um perfil pessoal. Pode ter várias páginas de empresas, desde que tenha domínios únicos para cada uma delas, mas apenas deverá ter um perfil pessoal seu no LinkedIn.

Normalmente, as pessoas que têm mais que uma conta no LinkedIn nem o sabem. Por vezes acontece quando o utilizador não lista todas os emails que tem na secção do LinkedIn das definições de conta. Assim, quando alguém o convida para se ligar a si usando um email que não está listado, o LinkedIn pensa que você ainda não tem uma conta e convida-o a criar uma conta nova. O LinkedIn associa o seu perfil com a sua conta de email (ou contas de email), não o seu nome.

Algumas pessoas criam duas contas porque têm dois negócios diferentes. Talvez até estejam à procura dum emprego enquanto tem um negócio à parte. É algo que pode acontecer na vida real, mas é contra o User Agreement do LinkedIn de não “criar um perfil de membro para alguém que não seja uma pessoa natural[…] ou criar uma falsa identidade no LinkedIn”. Não menciona específicamente que não conseguimos criar duas contas LinkedIn, mas se as tiver, o LinkedIn irá pedir para deitar uma abaixo.

Há quem tenha perfis pessoais para fazer a vez duma página de empresa (com o logótipo da empresa e o nome da empresa no perfil). Isto é proibido no LinkedIn.

Há castigo?

O LinkedIn menciona que só é suposto termos uma conta pessoal. Se o LinkedIn descobre que um utilizador tem duas ou mais contas (acabam por descobrir mais cedo ou mais tarde, especialmente se alguém o reportar), então eles irão fazer com que decida qual das contas quer manter, e quais das outras quer fechar.

Se passou algum tempo a criar e manter aquela conta, a crescer a sua rede e interagir com as suas conexões, este poderá ser um castigo difícil de engolir.

Em vez de ter duas contas, faça os possíveis para fundir os seus interesses numa única conta LinkedIn. Poderá usar a secção do sumário para descrever porque é que tem focos diferentes, e aí adicionar os dois (ou mais) negócios ou interesses que tem como entidades separadas na secção da experiência. Poderá criar também páginas de empresa para esses negócios.

Ligar-se a pessoas que não conhece

O LinkedIn também avisa que não “deve convidar pessoas que não conhece para a sua rede”. Não diz nada sobre aceitar convites de pessoas que não conhece. Esta é uma regra que se pode contornar, porque a recompensa aqui vale pelo castigo.

O seu perfil LinkedIn é visível de acordo com o tamanho da sua rede. Se apenas se liga a pessoas que conhece, e vamos supor que são algumas centenas, a sua visibilidade será basante limitada. Assim, o seu poder no LinkedIn estará algo limitado.

Se estiver em marketing, vendas, é empreendedor(a) ou numa organização não-lucrativa, pondere ligar-se a outros que não esteja necessariamente na sua rede de conhecidos.

Há castigo?

Se convidar muitas pessoas que não conhece para se ligar a elas e elas mencionam que não o conhecem, ou pior, denunciam-no por spam, o LinkedIn será alertado e irá limitar a sua capacidade de convidar e interagir com conexões que não sejam de primeiro nível.

Mas se for cuidadoso(a), e personalizar os seus convites e dar a conhecer às pessoas porque se devem ligar a si, então não deverá ter problema com isto. Poderá vir a ter milhares de pessoas ligadas a si, sem problema, se seguir estas boas práticas. Obviamente não irá conhecer pessoalmente todas estas pessoas, mas estar ligado a elas irá beneficiá-lo. Lembre-se sempre de ler o perfil das pessoas às quais se está a ligar. Se conseguir arranjar algum tema ou ligação mútua na sua abordagem a essa pessoa, faça-o.

Não caia nas más graças do LinkedIn

Como o livro (e o filme), 50 Sombras de Grey, há razões para as quais as pessoas fazem o que
fazem. Tanto no LinkedIn como na vida real, o castigo poderá ser duro. Se estiver a pensar quebrar as regras, tome note das consequências de assim o fazer.

Se cair nas más graças do LinkedIn, escreva para o apoio a cliente do LinkedIn e suplique se necessário. Ter consciência das regras e das consequências significa que pode decidir quais delas, se é que alguma, estará disposto(a) a quebrar, ou contornar.

Gostou do artigo?

Receba conteúdo de marketing e ferramentas para aumentar as vendas e crescer a sua empresa.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post comment