pintura acrícilo dum carrinho de compras online

Isto é uma pergunta que as pessoas nos colocam, e é difícil de responder nalguns casos. Tendo falado com centenas de prospetos e clientes ao longo dos anos, percebemos que não há uma resposta fácil para isto.

Esta questão envolve muito mais do que apenas o website em si, o que me leva a crer que poderá ser útil criar uma série de aprendizagem sobre Redesenho de Loja Online, que irá mostrar aspetos de criar e gerir uma loja/empresa online.

Isso ficará para uma outra altura, mas entretanto, poderá dar uma vista de olhos neste artigo de comparação entre Prestashop vs Magento vs OpenCart e depois voltar para ler o resto deste artigo.

Empresas com grandes capacidades financeiras e maior acesso a recursos, têm uma vantagem concreta no que toca a criar uma plataforma. A maioria dos clientes tem tendência a focar-se no custo (compreensível). Qual deve ser o aspeto do site e que tipo de funcionalidades gostariam ter implementadas. Isso é um bom começo mas há muito mais para analisar.

Quando criarmos um ebook ou a nossa série de recursos de aprendizagem sobre eCommerce, iremos cobrir estes pontos.

  1. Orçamento – quanto custa uma loja online (ecommerce)?
  2. Encontrar designer e programadores ecommerce e ajudá-los a perceber o que quer.
  3. Trabalhar com o seu designer e programador.
  4. Colaborar com as outras pessoas da sua equipa e outras considerações.
  5. Contabilístico, como saber, gerir e confiar nos seus números.
  6. Criação de produto e gestão de dados.
  7. Fluxo de dados da empresa/projeto
  8. Números e dados que deve medir e analisar.

Quanto custa?

Boa pergunta. Não há uma resposta mecânica para isso. Cada website tem um aspeto diferente e cada empresa as suas regras. Vai descobrir que a maioria das agências usam agora um modelo de custo à hora porque cada website tem os seus próprios problemas e soluções.

Nos dias que correm as lojas de comércio não são apenas um complemento do marketing offline, porque podem-se tornar agora uma entidade individual e próspera, o custo tem faces diferentes que têm de ser endereçadas já que se torna uma parte importante dum negócio.

Eis algumas coisas que deverá comunicar com um profissional sobre o investimento do custo.

1. Necessário para o website ecommerce (loja online)

  1. Fale sobre a sua marca/branding.
  2. Para quem está a vender? Faça uma lista dos seus buyer personas.
  3. O que está a vender? Há envios envolvidos, preços, ou configurações a considerar?
  4. De que outros websites gosta, e o que gosta sobre eles?
  5. Que funcionalidades gostaria de ter implementadas?

2. Relacionamento com a agência de desenvolvimento

  1. Vai precisar duma agência que não só desenvolva mas faça manutenção contínua? Há clientes nossos que trabalham connosco numa avença mensal. Isto permite-nos ter uma relação fluida e eficaz que contribui para uma loja saudável, dinâmica e que não fica estagnada ou parada no tempo.
  2. De quanta formação ou treino necessita? Descobrimos que o conhecimento técnico dos clientes no comércio eletrónico desempenha um papel importante no custo. Gostamos de trabalhar com clientes e ensinar às empresas as melhores práticas, existindo um custo óbvio envolvido de consultoria/treino. Se é para ter sucesso, é importante ter mão firme no tipo de ajuda e treino que vai precisar. Quanto mais depressa souber isto, melhor, porque irá poupar-lhe muitos euros a longo prazo.

3. Desenvolvimento de módulos adicionais
Nalguns casos os clientes podem precisar de módulos adicionais para ajudarem em transferências de dados ou bases de dados. Por exemplo, suponha que quando recebe uma encomenda, ela tem de ser (des)segmentada por item. Cada um tem de ser enviado para o seu departamento de atendimento correspondente. Neste caso você iria precisar desta papelada e processo ser automatizado e não ter de mexer em mais nada.

Um módulo ou aplicativo para gerir o fluxo de dados teria assim de ser criado para minimizar o tempo e o uso de funções dos empregados.

Comunique com o profissional aquilo que precisa e compare com a funcionalidade padrão que poderá vir na plataforma eCommerce que escolher. Trate destes detalhes à priori para ajudar a gerir potenciais e futuro investimento no custo do website ecommerce.

4. Lembre-se das redes sociais
Fale nas redes sociais, porque de momento a sua estratégia tem de as incluir.

Um bom profissional fará o melhor que conseguir para perceber as suas necessidades. É importante para si que ele(a) perceba de facto as suas necessidades, em vez de assumir que sim.

Uma boa comunicação envolve mais do que uma pessoa, portanto fale e deixe falar também, para que possa haver uma boa estimativa para o valor do projeto, sem surpresas.

Gostou do artigo?

Receba conteúdo de marketing e ferramentas para aumentar as vendas e crescer a sua empresa.

2 Comments

  1. Estou a desenvolver um site de raiz, e tenho um webdesigner a fazer o “visual” do site.
    A minha duvida é, quero introduzir o meu site num desses sistema (Prestashop ou Magento) mas permitem fazer isso?

    • Olá Angela, quando tiver o design/visual do site pronto, deverá transformá-lo em código HTML&CSS e/ou JS, e depois integrá-lo dentro dos modelos dos gestores de conteúdos que prefere, que normalmente são ficheiros ou modelos em PHP. Para isso poderá precisar de um programador ou desenvolvedor. No entanto, o seu webdesigner, se é webdesigner, saberá converter um design (imagens) para layout HTML e CSS simples. Para a posterior integração desses ficheiros num sistema de gestor de conteúdos precisará provavelmente de um web developer.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post comment