Isto vindo duma agência Web

Isto pode parecer um pouco estranho vindo duma agência que desenvolve websites e plataformas, mas é verdade.

Depois de ler este artigo, você vai compreender porque é que nós criamos bons websites, e que as nossas competências não são apenas no design da coisa. É ajudá-lo a si a compreender os seus clientes e parceiros, e o mundo digital como um sistema aberto no qual eles vivem, de forma a construir um website que você e os seus clientes precisem genuinamente.

Responsabilidades dum website. Exageradas?

As grandes marcas normalmente esperam que os seus websites tomem conta de todo o aspeto do ciclo de vida do cliente no que toca a atrair, informar, converter (em vendas), suporte e envolvimento. Assim um website precisa de:

  • Espalhar a palavra
  • Apresentar informação
  • Converter os mais provaveis de comprar naqueles que compram
  • Fornecer suporte às transações e o uso do produto pelo consumidor
  • Dispôr duma plataforma para efeitos legais

Parece muito não é? O problema é que é isto é só uma lista parcial. Em muitos casos, bons websites normalmente apresentam muito menos do que isto, e ao assim o fazer, são websites mais rentáveis, mais bem sucedidos, mais fáceis de manter e que custam menos.

Temos de estar onde está o peixe

Na publicidade tradicional, não se colocam placares de publicidade no meio do mato, é preciso ir atrás do peixe, onde o peixe está.

E desta forma, é preciso pensar se a sua marca a ser apresentada através do investimento num website que muitos dos seus clientes não irão ou não quererão visitar – porque se assim o é, é de loucos.

E este é o ponto chave deste artigo. Muito poucas pessoas na internet irão alguma vez visitar o seu site. O tráfego (ou seja, os visitantes) que conseguirá ter será a grande custo e despesa, através de investimentos feitos em links patrocinados ou otimização dos motores de busca, promoções, tempo dos seus empregados, ou agências, etc. A maioria do tráfego respeitante à sua marca vai para outros sites, todos eles com uma quantidade de tráfego muito maior que o seu.

Estes websites assim o fazem porque cumprem os requisitos que listámos anteriormente. Quando as pessoas querem saber acerca do seu produto, elas confiam noutros sites que não o seu para terem informação fidedigna (ou assim pensam elas), especialmente no que toca a comentários e opiniões de outros utilizadores.

Todas aquelas pessoas que passam o tempo no Facebook, Twitter, Linkedin, etc, são pessoas que não estão a visitar o seu website para saberem quem é que gosta do seu produto ou para formar uma comunidade. Não é no seu website que eles fazem isso.

Mesmo que por alguma combinação de [tooltip title=”SEO”] SEO é um acrónimo do Inglês que significa Search Engine Optimization, ou em Português, Otimização dos Motores de Busca, um serviço que nós fazemos na nossa agência no qual subimos o posicionamento do website dos nossos clientes[/tooltip] ou Search Engine Marketing, visitantes que vão ao seu website poderão nunca mais voltar.

Isto porque as pessoas normalmente vão à procura de informação sobre o seu produto noutros lados, portanto secalhar compensa estar nesse outro lado também. São estes outros lados que podem interessar mais do que o seu website, portanto vamos meter os nossos placares, não no meio do mato ou da floresta, mas nas estradas e sítios movimentados e segmentados.

Da mesma forma, se quer que os seus clientes sejam capazes de encontrar outras pessoas que usam ou querem o seu produto, então esteja onde eles estão – esteja onde o peixe está.

Milhões de pessoas no Facebook não podem estar erradas

Depois de desenvolver o website dum cliente, podemos conectar o website com Facebook Connect para ligar a comunidade do site com os dados dos utilizadores, não para coletar os emails dos utilizadores, mas em vez disso para ligar o produto aos consumidores.

Isto está a ter bom sucesso e é uma mudança aos métodos mais tradicionais de uso de website com as redes sociais. Especialmente se o produto ou serviço tiver vários vídeos relacionados com ele. O pensamento da velha guarda seria de colocá-los no website, mas a nova escola de peixe diz para os colocarmos no YouTube. Várias coisas sucedem-se quando assim o fazemos: os seus videos estão ligados a vídeos de outras pessoas, eles podem ser encontrados e você acabou de poupar uma pipa de massa e chatices no que toca a alojar clips digitais. Desta forma é o Google que paga pela banda larga (o Google é dono do YouTube), que, como resultado, poderá aumentar o seu posicionamento nos media sociais e até no seu website, se a estratégia for bem montada.

E o vídeo é apenas um exemplo, porque podemos também fazer uso de artigos e conteúdo de qualidade. Em vez de colocar apenas no website, pode-se colocar exertos do artigo e do texto para sites sociais, cujo conteúdo poderá ser apanhado por internautas pela web (e consequentemente espalhado). Quando os utilizadores ou internautas lêem essas histórias ou vêem os vídeos, eles são direcionados para o exterior desses websites, para onde os outros peixes estarão também.

Na última décadas era comum, pelo menos para os empresários mais sofisticados, perguntar “qual é a estratégia do seu website?”, mas agora com esta nova escola de peixe e de pensamento, estamos a passar por uma era no mundo digital e marketing social verdadeiramente fantástica.

Vá para onde o peixe está.

O seu website é uma parte da conversa

O melhor acerca de conviver com os peixes é que eles são bons a dizer aos outros acerca da sua marca e dos seus produtos. Se você tiver uma marca decente e um produt ok, então já é meio caminho andado.

Somos capazes de perguntar a um cliente isto: “quando é que foi a última vez que alguém foi ao seu website para ler sobre a sua cerveja, e depois meteram-se no carro, foram à loja e compraram o produto?” E rimo-nos. Ok, talvez um ou dois gatos pingados possam fazer isso, mas a exceção não prova a regra.

Quando você olha para o verdadeiro processo que o consumidor usa para tomar uma decisão de compra, um website começa a parecer que é menos útil do que aquilo que parece ser.

Da experiencia que temos com projetos com os nossos clientes, tiramos algumas conclusões interessantes. Parece que este tipo de consumidores (exemplo da cerveja), mais do que noutras indústrias, normalmente experimentam coisas que os amigos deles experimentaram. Eles também estão muito mais passíveis de experimentar coisas que eles sabem que podem ser encontradas onde eles estão. Portanto se quer fazer um test trial à coisa, então precisa de fazer parte da conversação. Não a conversação entre marca e consumidor, mas entre consumidor e consumidor. Crie laços com o peixe.

Neste caso um website é a peça menos forte e influente do sistema. Se por esta altura concordar, então você percebeu. Um website deve levar as pessoas para algum sítio que não ele mesmo. Levar o consumidor para a loja que vende o produto, levar o consumidor para o restaurante que serve o prato e conectar o seu consumidor com pessoas que eles sabem que experimentaram isso, escreveram sobre isso e adoram isso. Leve o peixe de volta para o lago.

Quando começar a fazer isto, todos os seus objetivos vão mudar, e para melhor. Não vai mais ter aquele objetivo de querer que o destino online do consumidor seja “tempo passado no site” porque você não quer o consumidor no seu website. Uma melhor medida é a capacidade que o site tem em levar os visitantes para conversações relevantes que se estão a passar noutros sítios na internet e até no mundo real. O seu website deve servir de meio para o esquema geral das coisas, como que um ecossistema do lage peixes.

O que acontece à sua marca?

O que quer que você faça na web, isso deverá se refletir na sua marca e na perceção da marca. E o seu website não é exceção. Aquela velha ideia de que o website deve ser uma “experiência imersiva” que “atrai” e “faz passar a essência da marca em cada interação” soa bem mas é um pouco antiquada. Aliás, este é o tipo de conversa que nós, como agência, e eu como profissional que estou a escrever este artigo, costumava dizer aos meus clientes. Mas hoje em dia já não é aplicável.

O que é necessário é que o consumidor tenha a experência da sua marca como parte da vida dele, da vida dos amigos, das comunidades que eles sabem, sítios onde eles vão e coisas que eles gostam. E isso não é fácil de fazer, mas se você for um profissional de marketing e branding, então será a sua razão de ser de resolver este problema. E um website, só por si, não o vai levar lá.

Quê, sem websites?

Calma. Um website ainda é necessário, mas temos que voltar a definir o papel dele: ser um sítio onde você poderá ter uma conversação privada e direta com os consumidores. Há muitos exemplos onde isto poderá ser aplicado, desde incluir informação sobre o produto, apoio a cliente, termos legais, etc.

Quando não é uma conversação de um-para-um, então é necessário direcionar o consumidor para outros peixes, apontar o caminho e ajudá-los a adicionar os outros à conversação.

Então porque é que você poderá não precisar dum website? Porque antes de criar um destino online, é preciso criar uma estratégia à volta daquilo que o consumidor realmente quer e onde mais ele irá estar. E você sabe onde isso é certo? É onde os peixes estão.

Se gostava de ter ajuda a encontrar um lago com peixes e a melhor maneira de lançar o anzol ao consumidor, contacte-nos. É o que nós fazemos.

DesignPT
[email protected]
262 582 066
09:00 – 18:00

A DesignPT é uma agência digital da próxima geração. Combinamos estratégia, marketing e criatividade em novas formas de conectarmos com o consumidor moderno.

Gostou do artigo?

Receba conteúdo de marketing e ferramentas para aumentar as vendas e crescer a sua empresa.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.